Sua fantasia sexual é normal?

fantasiaDesde pés, urina até objetos inanimados como o couro. Pessoas tem vários tipos de desejos sexuais e fetiches. Mas, ser estimulado por objetos inanimados ou partes não genitais uma coisa normal? No que diz respeito ao cérebro o que você acha sexy é uma combinação de processos cognitivos, emocionais e físicos.

Claro que o aspecto do anonimato do comportamento sexual fez com que os estudos sobre isso fossem desafiantes. Para reverter isso, um grupo de estudos utilizou o grupos no yahoo para estimar a preferência de fetiches do comportamento sexual típico. Com a ajuda de 5000 usuários, pesquisadores descobriram que grande parte fetiches não era apenas partes do corpo mas, objetos associados a partes do corpo como sapatos ou fones de ouvido. Grupos populares incluíram fluídos corporais e tamanho corporal. Mas o grupo mais popular de longe foi o grupo de pessoas que tem como fetiches sexuais os pés e dedos.

Por que atualmente existe uma explicação neurológica para fetiche com pés. Se investigarmos um mapa visual demonstrado que áreas e proporções do cérebro são dedicadas a processar funções sensoriais nos podemos ver que pés, dedos e genitálias estão fisicamente uma do lado da outra no cérebro. Um estudo foi capaz de fazer uma ligação entre desejo sexual e regiões do cérebro com um homem que sofria com tonturas epilépticas e um fetiche com alfinetes de fralda.

Após uma cirurgia lobectomia parcial ou “remoção de parte do cérebro” tanto suas tonturas quanto fetiche por alfinetes acabaram. Fantasias sexuais desenvolvidas durante experiências iniciais, quando temos maior formação de ligações sinápticas e neurogênese no cérebro, “sexual imprinting xtrasize reclamações” (impressão sexual) é o processo que nós e outros animais aprendemos as características desejadas de companheiros frequentemente influenciados por aqueles que nos criaram.

Um estudo encontrou que filhas adotadas acabaram escolhendo maridos com um rosto semelhante a os do seus pais adotivos. Mulheres que tem uma relação mais emocional e de suporte com seus pais, também tendem a escolher companheiros com similaridades com seus pais do que as mulheres que tiveram relações mais negativas com seu pais mas, com fetiches esse “sexual imprinting” pode ser com objetos também.

Um estudo utilizando dois grupos de ratos sexualmente ingênuos onde um grupo vestia uma pequena jaqueta de velcro durante sua primeira experiência sexual enquanto o outro grupo, o grupo controle, não vestia nada. O grupo controle demonstrou um comportamento sexual normal com ou sem a jaqueta, enquanto o grupo que utilizou a jaqueta foi impossibilitado de ser estimulado sem a utilização da jaqueta.

O mesmo estudo foi realizado com outros objetos e obteve os mesmos resultados. Isso poderia explicar por exemplo o por que uma pessoa que tenha fetiche com couro pode ter dificuldades de ser estimulada sem o couro. Um estudo separado com ratos, teve um grupo de ratos machos filhotes dormindo em essência de limão e o outro grupo sem essência.

Para sua primeira experiência sexual eles tiveram a opção de duas fêmeas sexualmente preparadas: uma apresentando a essência de limão e outra não o grupo controle preferiu qualquer uma das fêmeas igualmente enquanto o grupo com essência preferiu as fêmeas com essência. O grupo controle preferiu qualquer uma das fêmeas igualmente enquanto o grupo com essência preferiu as fêmeas com essência

Mas esses desejos específicos ou preferências podem ser bloqueadas por naloxona que bloqueia endorfinas (ou os neurotransmissores “de recompensa”) que podem se ligar a receptor opióides xtrasize original no cérebro, bloqueando a “recompensa” sexual que é atribuído com as jaquetas de velcro ou a essência de limão. Enquanto sabemos muito sobre fetiches em ratos não existem muitas pesquisas em preferências sexuais humanas raras. E no passado elas eram frequentemente classificadas como doenças mentais.

A ciência moderna demonstra que ter um fetiche é uma parte normal do ser humano. E se não esta machucando nem você nem outra pessoa isso pode existir como parte de uma vida sexual saudável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *