TST decide contra a Petrobras em causa trabalhista bilionária

petrobrasO Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu nesta quinta-feira que a Petrobras não pode incluir no cálculo da base salarial da empresa adicionais como trabalho noturno, periculosidade e horas extras.

A decisão, contrária à estatal, pode levar a empresa a desembolsar mais de R$ 15 bilhões para complementar salários de trabalhadores ativos e aposentados, além de elevar a folha de pagamento da estatal em R$ 2 bilhões por ano daqui para a frente.

A Petrobras já informou que vai recorrer da decisão, no próprio TST ou no Supremo Tribunal Federal (STF).

Na ação trabalhista, os funcionários da Petrobras pedem que os pagamentos de adicionais como trabalho noturno e periculosidade sejam retirados do cálculo da base salarial.

Sem esses adicionais compondo o piso salarial dos trabalhadores da empresa, a Petrobras será obrigada a complementar o salário de milhares de funcionários.

Segundo cálculos da Advocacia-Geral da União (AGU), se o pedido dos trabalhadores for atendido, 59 mil funcionários da estatal terão direito a um aumento salarial de até 35%.

De acordo com a assessoria do tribunal, a Petrobras pode apresentar os chamados embargos declaratórios (recurso administrativo) ainda no TST.

Além desse recurso administrativo, a empresa pode questionar a decisão no Supremo Tribunal Federal (STF).

“A Petrobras está absolutamente confiante de que vai reverter essa decisão”, afirmou a gerente-executiva do Departamento Jurídico da empresa, Thaísa Maciel. Segundo ela, a decisão não provoca nenhum efeito imediato, econômico ou financeiro, à empresa (veja no vídeo acima e leia ao final desta reportagem íntegra de nota divulgada pela Petrobras após o julgamento).

“O TST reconheceu o que vínhamos dizendo. Nós nunca negociamos uma remuneração igual para todos. Nós nunca dizemos que seria possível fazer pagamento que ferisse o princípio da isonomia, no sentido de tratar os desiguais como desiguais e os iguais como iguais. Os trabalhadores sempre disseram isso e hoje o tribunal disse que tínhamos razão”, disse

COMO VOTARAM OS MINISTROS DO TST NO CASO PETROBRAS

A favor dos funcionários A favor da Petrobras
Alberto Luiz Bresciani Guilherme Augusto Caputo Bastos
Mauricio Godinho Delgado Maria de Assis Calsing
Walmir Oliveira da Costa Dora Maria da Costa
Kátia Magalhães Arruda Márcio Eurico Vitral Amaro
Hugo Carlos Scheuermann Ives Gandra da Silva Martins Filho
Augusto César Leite de Carvalho Alexandre de Souza Agra Belmonte
José Roberto Freire Pimenta Douglas Alencar Rodrigues
Delaíde Alves Miranda Arantes Breno Medeiros
Cláudio Mascarenhas Brandão Alexandre Luiz Ramos
Maria Helena Mallmann Renato de Lacerda Paiva
Lelio Bentes Corrêa Emmanoel Pereira
Luiz Philippe Vieira de Mello Filho Aloysio Corrêa da Veiga
João Batista Brito Pereira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *